IMG-20210301-WA0014_edited.jpg

Reprodução e alimentação

Fêmeas com filhotes são sempre os últimos a migrarem para áreas de alimentação. Isto ocorre porque os filhotes precisam aumentar sua camada de gordura, alimentando-se do leite (que contém cerca de 40% de gordura) e desenvolver sua musculatura e habilidades motoras para a extensa migração para a área de alimentação. Não se sabe ainda se existe alguma técnica de alimentação peculiar à população de jubartes brasileiras, mas outras populações em outros locais desenvolveram técnicas como a “rede de bolhas”.

Algumas baleias se agrupam, mergulhando sincronizadamente sob os cardumes e eliminando ar enquanto submersas, formando uma “cortina de bolhas” que cerca e prende o cardume de krill (Euphasia superba) ou de pequenos peixes. Logo em seguida, elas sobem em direção à superfície entre as bolhas com a boca aberta e as pregas ventrais expandidas, preenchendo a cavidade bucal com alimento e água.

Quando chegam à superfície fecham a boca, contraem as pregas ventrais e com a língua pressionam o palato: a água então é eliminada por entre as barbatanas e o alimento fica ali retido. Em outra área de alimentação, as baleias jubarte produzem um som muito alto e forte; acredita-se que este som tenha a função de atordoar o cardume, ficando mais fácil abocanhá-lo. Outra técnica de alimentação também utilizada pelas jubartes é de bater a cauda com força na água, também causando um atordoamento do cardume, que acaba se tornando uma presa fácil.

O nascimento

Há poucos casos de observação do nascimento de uma baleia jubarte; por isso, cientistas supõem que aconteça à noite, de forma semelhante a outras espécies de cetáceos em que o parto já foi acompanhado.

nasc_1.png

1. Na madrugada

A fêmea começa a ter contrações e na fenda genital aparece a primeira porção do filhote. 

nasc_2.png

2. Saída

O cordão umbilical se rompe e o filhote precisa chegar rapidamente à superfície para respirar.

nasc_3.png

3. Respiração

A fêmea apoia o filhote em suas costas, ajudando-o a subir à superfície.

nasc_4.png

4. Amamentação

A fêmea pode ficar em posição vertical para facilitar a respiração do filhote enquanto ele bebe o leite rico em gordura. 

O filhote

Após 11 meses de gestação, a baleia jubarte fêmea dá à luz um único filhote, que nasce aproximadamente com 4 metros de comprimento e pesa cerca de 1 tonelada.  Ingere até 100 litros de leite por dia, o desmame ocorre entre os 6 e 10 meses de vida do filhote. Com 1 ano torna-se independente e se separa da mãe.

Como as baleias jubarte se alimentam

As baleias jubarte possuem franjas de cerdas (semelhantes às escovas de dente, só que compridas e penduradas como cortinas dos dois lados do céu da boca) que utilizam para segurar o alimento. Elas abrem sua enorme boca e avançam sobre cardumes de krill ou de pequenos peixes como as sardinhas, abocanhando-os junto com uma grande quantidade de água. Depois, usam a língua para expelir a água e o alimento fica preso nas cerdas, sendo depois engolido. Muitas vezes as jubartes podem ser vistas colaborando umas com as outras nas áreas de alimentação, encurralando os cardumes de suas presas com cortinas de bolhas que sopram sob a água e depois subindo até a superfície para apanhá-las.

Alimentação baleia-jubarte
Captura de Tela 2021-04-07 às 15.31.45.

Veja também

Comportamentos da baleia jubarte 

Entender como se comportam as jubartes é essencial para o nosso estudo, cada movimento nos faz conhecer ainda mais sobre o seu cotidiano.