0K5A6042.jpg

A Baleia Jubarte

A baleia jubarte, cujo nome científico é Megaptera novaeangliae – “grandes asas da Nova Inglaterra”, referência às enormes nadadeiras peitorais e à região dos Estados Unidos na qual a espécie foi identificada pela ciência pela primeira vez é uma das mais conhecidas e mais queridas dentre as grandes baleias que habitam os mares do planeta.

 

Atingindo até 16 metros de comprimento e podendo pesar cerca de 40 toneladas, as jubartes são facilmente identificáveis pela coloração quase negra do corpo, pela nadadeira dorsal típica da espécie, pelas já referidas grandes nadadeiras peitorais, que podem chegar a ter 1/3 do comprimento do corpo e são geralmente brancas, e pela cauda cuja face inferior possui padrões de coloração em branco e preto, que são únicos para cada indivíduo, permitindo sua identificação individual.

Biologia

As baleias jubarte são parte do grupo dos misticetos ou “baleias de barbatana”, ou seja, animais que ao invés de dentes possuem em ambos os lados da boca uma cortina de cerdas filtradoras – as “barbatanas”, muito semelhantes a escovas. Esse aparato permite às jubartes se alimentar de pequeninos organismos do plâncton marinho, o krill, especialmente aqui no Hemisfério Sul, o krill é um diminuto  crustáceo semelhante a um camarão extremamente abundante nos mares ao redor da Antártica. As barbatanas também facilitam a captura de pequenos peixes de cardume como sardinhas e similares. Abrindo sua enorme boca e expandindo suas pregas ventrais, a jubarte “abocanha” grande quantidade de água, que é então expelida através das barbatanas, retendo apenas o alimento.

 

Como todos os mamíferos, incluindo os seres humanos, as jubartes respiram ar. O “esguicho” característico das baleias, a que damos o nome de borrifo, não é água jorrada para cima, mas sim ar quente expelido a grande velocidade quando o animal expira, e água vaporizada que se acumulou sobre seu orifício respiratório.

 

Ao longo de milhões de anos de evolução, a partir de ancestrais terrestres, as baleias e outros cetáceos – grupo que inclui também os botos e golfinhos – tiveram suas narinas movidas para o alto da cabeça, o que facilita sua respiração no meio aquático. Estima-se que as jubartes possam permanecer até cerca de 30 minutos submersas, e alcançar mais de 600 metros de profundidade em seus mergulhos, mas no geral aqui no Brasil são avistadas fazendo intervalos respiratórios bem mais curtos e mergulhos bem mais rasos.

Anatomia da baleia-jubarte
macho_femea.jpg
tamanho de baleias do litoral brasileiro

Migração

As baleias-jubarte são animais altamente migratórios, isto é, percorrem grandes distâncias regularmente para completar seu ciclo de vida. A população que se reproduz ao longo da costa brasileira migra anualmente para os mares antárticos para se alimentar durante o verão, e retornam para nossas águas no inverno e primavera para acasalar, parir e amamentar seus filhotes – uma jornada de ida e volta de quase 9.000 Km!

Migracao baleia-jubarte
Captura de Tela 2021-02-26 às 16.16.31.

Distribuição

As baleias-jubarte são encontradas em quase todos os mares, com áreas de alimentação próximas às regiões polares e áreas de reprodução ao longo das costas tropicais dos continentes ou no entorno de ilhas como os arquipélagos do Hawai’i, Tonga e Polinésia Francesa. Todas as populações são migratórias, à exceção de uma, que habita o Mar da Arábia, principalmente as águas de Omã.

 

A população brasileira de jubartes se distribuía originalmente, durante a época reprodutiva, do Rio Grande do Norte a São Paulo; atualmente se concentra principalmente no Banco dos Abrolhos, extensão da plataforma continental recoberta por recifes de coral entre o sul da Bahia e o norte do Espírito Santo. Com a recuperação populacional da espécie observada em anos recentes, avistagens ao norte e ao sul desta região vêm se tornando mais frequentes, como na Bacia de Campos no Rio de Janeiro e no entorno de Ilhabela em São Paulo. A área de alimentação principal das jubartes brasileiras se encontra no entorno das ilhas Geórgia do Sul na região antártica.

 

Apesar de se acreditar que a maioria da população de jubartes brasileiras realiza um movimento regular entre essas áreas, existem registros confirmados de algumas das “nossas” jubartes sendo avistadas no Oceano Pacífico (costa do Equador) e no Oceano Índico (entre Moçambique e Madagascar), evidenciando que ao menos uma parte desses animais realizam movimentos muito mais amplos do que se acreditava anteriormente!

População Atual

Estima-se que as jubartes brasileiras, hoje em franca recuperação da caça predatória que sofreram, tenham hoje um tamanho populacional próximo dos 20.000 animais (comparado com cerca de 3.000 animais quando o Projeto iniciou suas atividades, em 1988!). Essa estimativa é realizada utilizando-se dados de censos aéreos realizados pelo Projeto Baleia Jubarte e instituições parceiras, cruzeiros de avistagem e outras informações coletadas por nossas equipes de pesquisa.

 

Graças à proteção total dessa população, nossas jubartes estão podendo reocupar suas áreas de distribuição original ao longo de boa parte da costa brasileira. Em 2014, quando a espécie foi retirada da Lista Oficial de Espécies Brasileiras Ameaçadas de Extinção, o Projeto Baleia Jubarte recebeu o reconhecimento do Ministério do Meio Ambiente por seu papel nessa proteção e recuperação.

FU4A4959.jpg

Comportamentos da baleia jubarte

Entender como se comportam as jubartes é essencial para o nosso estudo, cada movimento nos faz conhecer ainda mais sobre o seu cotidiano. 

Captura%2520de%2520Tela%25202021-02-24%2

Reprodução e alimentação

Saiba como se alimentam e se reproduzem as baleias jubartes ao longo do Atlantico Sul.